Destaques

Latest Post

Assaltantes matam empresário filho de pioneiros de Colider

Publicado por JOEL DE AQUINO | segunda-feira, 22 de dezembro de 2014 | 10:42

Clay Jr / Notícia Exata
Um comerciante identificado como Arlindo Targa, acabou morrendo na tarde de ontem, domingo (21), após reagir a um assalto registrado no município de Nova Monte Verde.
As primeiras informações são de que o comerciante foi morto com três tiros, o crime foi praticado por dois assaltantes.
Cabo Romair, que estava de serviço, se deslocou ao local e foi recebido a tiros.
Um fato inusitado marcou a situação, o policial foi atingido por um tiro, mas por sorte, a bala atingiu a fivela do cinto, com isso não ferindo o policial.
Após o assaltantes rederam o policial e levaram arma e também a viatura L-200 da Polícia Militar.
Barreiras foram montadas em várias cidades da região, fechando o cerco aos bandidos e conforme a PM, por volta das 5h40m eles foram detidos em uma barreira no município de Paranaíta.

Taques anuncia Adriana Vandoni em órgão de combate à corrupção

Economista vai comandar órgão ligado ao gabinete do futuro governador





A economistra Adriana Vandoni, que foi anunciada por Taques para o Gabinete de Transparência e Combate à Corrupção
MAX AGUIAR E CAMILA RIBEIRO
DA REDAÇÃO
O governador eleito Pedro Taques (PDT) anunciou que sua gestão terá um Gabinete de Transparência e Combate à Corrupção, que será comandado pela economista Adriana Vandoni Curvo.

O anúncio foi feito durante Audiência Pública, na manhã desta segunda-feira (22), na quadra de esportes da Escola Presidente Médici, na Avenida Mato Grosso, no bairro Araés, em Cuiabá.

Adriana, que disputou uma cadeira na Assembleia Legislativa, nas eleições passadas, mas não se elegeu, ficará responsável por impedir possíveis desvios de conduta de funcionários públicos, e terá a missão de combater atos de improbidade, fiscalizando todas as secretarias.

“Teremos esse gabinete para fiscalizar tudo. Eu poderia chamar uma pessoa do Ministério Público Estadual para comandar esse gabinete, alguém da Polícia. Mas, resolvemos chamar uma pessoa que é processada por combater a corrupção”, disse Taques, ao anunciar o nome da economista.

De acordo com o governador eleito, o órgão vai ter uma estrutura enxuta e será veiculada ao gabinete do governador.

“Para criar e formatar esse Gabinete de Transparência e Combate à Corrupção, o governador eleito Pedro Taques me convidou. Convite aceito, por entender que está será a oportunidade de colocar em prática tudo que sempre cobrei das gestões que passaram”, afirmou Adriana Vandoni.

Ao final do anúncio, Vandoni falou com jornalistas sobre a metodologia da pasta, que é a terceira do Brasil.

"Existe no Brasil uma pasta com o mesmo método no Espírito Santo e em Brasília, mas aqui será referência. Seria melhor se não precisasse existir uma pasta para ficar de olho em tudo, mas infelizmente existe e corrói. O convite do governador Pedro Taques só reforça o discurso que ele sempre teve sobre um governo transparente e voltado ao cidadão. O que precisamos é acabar com os atos ilícitos, com isso vamos trabalhar com o Ministério Publico e Controladoria Geral", disse Vandoni. 

Fonte Mídia News

Pedro Taques e a política mato-grossense

Publicado por JOEL DE AQUINO | domingo, 21 de dezembro de 2014 | 12:03

Mato Grosso vive a expectativa pela posse de um novo governo estadual. A chegada de Pedro Taques (PDT) ao comando do governo tem um simbolismo. Para muitos, a eleição deste ex-procurador da República, responsável pelo combate ao crime organizado no Estado, inclusive com a prisão do bicheiro-comendador Arcanjo, representou (e foi festejada) como uma vitória sobre o atraso, sobre o desmando, sobre a corrupção, sobre a política do toma lá da cá. Sendo assim, o que esperar da política mato-grossense a partir de janeiro de 2015?

A chegada de Pedro Taques ao comando do governo abre possibilidades. O fato torna-se parte de um processo maior, de uma equação que tem como variáveis, além do futuro governo, o poder econômico, os poderes constituídos, os políticos tradicionais, os diferentes partidos, a sociedade organizada, os setores populares, a burocracia estatal, a crítica e o debate público.

É claro que a eleição de Pedro Taques, por si só, não determinará uma mudança substantiva. Esta não se efetivará, apenas, com a troca de nomes. Nossos problemas e carências também não serão resolvidos com messianismos, nem com um grupo de libertadores de ocasião. Será o processo que determinará algum tipo de avanço. 

Na história, a mudança está sempre em curso. Mesmo que pequena e às vezes imperceptível. Mas, ao falar das possibilidades abertas com a eleição do novo governador, vejo que nosso Estado vive hoje na atrocidade, exatamente por conta da degeneração de uma parte significativa dos seus agentes públicos, da corrupção generalizada, de uma classe política e de poderes que, majoritariamente, buscam apenas privilégios, e de um modelo de desenvolvimento econômico que além de concentrar toda a riqueza, é absolutamente devastador.

Taques fez campanha criticando o modelo que se despede no próximo dia 31 de dezembro e prometendo, insistentemente, mudança, justiça social e honestidade. Será preciso bem mais do que retórica para ver suas promessas cumpridas. O futuro governador tem a obrigação moral, política e até histórica, de reestruturar o nosso serviço público (fazê-lo renascer!) e garantir diferentes direitos da população, especialmente dos mais necessitados.

Tem que enfrentar flagelos gritantes na educação, saúde, segurança, abastecimento de água, saneamento básico, direitos humanos e no mal tratado meio ambiente.  No caso do campo, não dá pra fingir que não existem sem terras, pequenos agricultores, quilombolas, indígenas, pescadores, ribeirinhos. Não dá para fechar os olhos para toda uma rotina de violência envolvendo grilagem, concentração fundiária, despejos e exploração irracional da natureza. São opressões que começam no meio rural e que tem uma conexão direta com a crescente brutalidade urbana, com o tráfico de drogas, etc. O futuro governo mato-grossense terá que garantir a vida, tendo uma elite que se alimenta da morte.
 
Muitas forças negativas atuam contra a expectativa de governo de Pedro Taques. E como de costume, uma boa parcela tratará o governador eleito como um rei e não como servidor público. Por isso, espero que o processo que está em curso aponte para algum tipo de mudança positiva. Taques chega ao poder carregando a esperança de 833.788 mil mato-grossenses por mudanças nas suas condições de vida e de trabalho. Terá que fazer uma mudança ética, de valores e de visão do Estado.


Flávio Garcia é jornalista em Cuiabá

COM CONCEITO DE JUSTICEIRO, TAQUES CHEGA QUEBRANDO PARADIGAMAS


pedro taques carlos fávaro
Vice Carlos Fávaro e governador Pedro Taques exibem diploma, em sessão com os eleitos e suplentes

A chegada de Pedro Taques ao governo representa uma quebra de paradigma em todos os sentidos, muito mais do que foi com Blairo Maggi.


Em 2002, o empresário bem sucedido e hoje senador entra para a disputa faltando apenas três meses para as eleições. E, com discurso de transparência e honestidade “na palma da mão” e determinado a implantar novo jeito de se fazer política, ganha no primeiro turno. Depois se reelege em 2006. Saiu com aprovação superior a 90%, mas enfrenta problemas por causa de escândalos que estouraram depois que deixou o Palácio Paiaguás.

Taques agora entra num cenário tenso. Como carrega a linha dura de quando atuou como procurador da República, intransigente no combate à corrupção, criou-se conceito sobre ele de justiceiro. É um paladino da moralidade que passa a tomar conta de um Estado onde em praticamente todos setores existiriam esquema de corrupção. Como promete destampar a tampa da panela que esconde tantas irregularidades, é provável que muita gente ainda vá parar na cadeia a partir de ações do futuro governador. Está predestinado a passar o Estado a limpo.

Mas deixando de lado as questões investigativas e policiais, Taques detectou, a partir dos estudos da equipe de transição, que encontrará problemas demais. Está ávido para agir, a partir da posse.

A população tem um homem público probo, trabalhador e inteligente. Esse mesmo homem público viverá a primeira experiência no Executivo. Com poder da caneta, vai administrar R$ 14 bilhões anuais de um Estado com 141 municípios, a maioria com dificuldades de sobrevivência e dependente do auxílio do Palácio Paiaguás, assim como da União. 

Taques tem mostrado coerência e coragem. Não deu trégua aos partidos aliados, ao definir todos secretários dentro de critérios técnicos. Propõe enxugamento radical da máquina. De fato, tem sido diferente até agora de todos aqueles que já sentaram na cadeira de governador.

Ao mesmo tempo que seleciona aliados, como se quisesse separar bons dos ruins, Taques prega pacto e conciliação, como no discurso de sexta à noite, após receber o diploma na sessão solene realizada pelo TRE. Para promover as mudanças e atender o cidadão, quer união entre o governo e as demais instituições em defesa do desenvolvimento do Estado. Agora, ou vai ou racha. Não vejo meio termo. Ou se sairá muito bem, ou será mais uma decepção. O tempo dirá.

Filho de fazendeiro no Paraná é resgatado como andarilho em Vilhena

Homem de 33 anos recebeu atendimento no HR



A medida que o tempo vai passando, andarilhos avançam pela BR 364, de cidade em cidade, atravessando as fronteiras de Rondônia, e fica cada vez mais difícil retomar a vida normal.

Gustavo Borges da Silva, de 33 anos, por exemplo, está há mais de dez anos vagando por estradas brasileiras. Filho de fazendeiro em Guaíra, no Paraná, lugar onde também nasceu, ele ajudava o pai com trator, cuidava do gado, operava motosserra e até fazia cercas e curral. Vivia bem, mas resolveu sair pela primeira vez para os lados de Santa Catarina e, de lá, foi ganhando o mundo e a estrada, depois de se viciar em bebidas alcoólicas. Foi isso que confessou o homem, ainda jovem, em tom de arrependimento. 

“Fiquei com vergonha e saí para o trecho”, conta Gustavo, à beira do leito do pronto-socorro do Hospital regional de Vilhena, após ser resgatado pelos bombeiros no setor 12, atrás da fábrica de óleos vegetais Portal. Ali, ele estava passando mal com fraquezas e hipotermia na manhã de ontem, sexta-feira, dia 20.

Gustavo deu entrada no pronto-socorro ontem mesmo. Estava  desidratado e vai tomar muito soro até melhorar. Deve se resumir a isso o tratamento, mas o serviço social costuma cuidar destes casos e até ajudar o paciente que demonstrar vontade de reencontrar a família.

Em conversa com o andarilho, que revelou: havia quatro dias que não se alimentava.  Borges também disse que já tinha ido até no Acre e que já estava voltando rumo ao sul de novo refazendo sua trajetória. Caminha pelas estradas brasileiras sem o mínimo conforto nos pés, muitas vezes de chinelo e até descalço.

Gustavo conta que vê aos poucos sua história se apagando. Não sabe o que se passou com os seus pais, a quem não vê há mais uma década. Disse não ter conseguido formar outra família, com esposa e filhos.Tem consciência de estar seguindo um caminho difícil e, à medida que o tempo passa, a estrada da volta se torna cada vez mais tortuosa. “Nunca fui de deixar a barba crescer, mas que agora tô parecendo um Papai Noel” diz usando o que lhe resta de bom humor na batalha dura que trava com o destino.

MP propõe 7 ações contra Câmara, AL e empresas devido à operação

Publicado por JOEL DE AQUINO | sábado, 20 de dezembro de 2014 | 03:26


Tony Ribeiro
capa MPE coletiva
Promotores Roberto Turim e Sérgio da Silva Costa durante coletiva nesta 6ª


O Ministério Público Estadual (MPE) impetrou, nesta sexta (19), sete ações civis públicas referentes à Operação Ararath, deflagrada pela Polícia Federal para desbaratar esquema de lavagem de dinheiro e crimes financeiros envolvendo autoridades dos três Poderes. Duas estão relacionadas à suposta compra da vaga no TCE ocupada pelo conselheiro Sérgio Ricardo. As peças são assinadas pelos promotores Célio Fúrio, Roberto Turim e Sérgio Silva da Costa

Neste caso, o MPE solicitou o afastamento imediato e a anulação da indicação, nomeação e posse de Sérgio Ricardo no TCE. Além disso, a Promotoria requer a indisponibilidade dos bens do atual conselheiro, do  governador Silval Barbosa (PMDB), do senador Blairo Maggi (PR), do conselheiro aposentados Alencar Soares e seu filho, o empresário Leandro Soares, além do ex-secretário de Estado Eder Moraes, do ex-conselheiro Humberto Bosaipo e do deputado estadual José Riva (PSD).

 Uma ação se refere a pagamentos suspeitos feitos pelo Estado à Construtora Encomid e a participação no suposto esquema de lavagem de dinheiro junto a Amazônia Petróleo, que pertence ao delator premiado Júnior Mendonça. A empreiteira é acusada de receber valores milionários do Governo do Estado e retornar parte do dinheiro para alimentar o esquema desmantelado pela Operação Ararath.

Na ação da Encomind são citados como réus Silval, Blairo e os ex-secretários estaduais de   Fazenda Eder Morais e Edmilson dos Santos. Os procuradores do Estado Dorgival Veras de Carvalho e João Virgílio do Nascimento Sobrinho, além dos proprietários da construtora e outros servidores públicos também são acusados pelos promotores. O MPE pleiteia o ressarcimento de R$ 61 milhões supostamente desviados do erário.

Outra ação, referente à construtora Hidrapar, denuncia o procurador do Estado João Virgílio do Nascimento Sobrinho; os ex-secretários de Estado de Fazenda Edmilson José dos Santos e Eder de Moraes Dias; o governador Silval Barbosa; o engenheiro civil Afrânio Rossi Brandão e os advogado Kleber Tocantins e seu irmão Alex Tocantins Mattos por suposto esquema de pagamentos superfaturados do governo do Estado à empresa citada. A Promotoria também requer o ressarcimento de R$ 12 milhões ao erário e a condenação dos agentes públicos por improbidade administrativa.


 Em relação à Assembleia, o MPE propõe ação sobre desvio de dinheiro através da contratação simulada de compra de material de expediente. No total, os promotores requerem o ressarcimento de mais de R$ 181,5 milhões.

 Os réus são o presidente da Assembleia José Riva (PSD), sua esposa Janete Riva e o ex-deputado e conselheiro do TCE Sérgio Ricardo, além de outras 16 pessoas e cinco empresas envolvidas nos supostos atos ilícitos. O MPE ainda condenação por improbidade administrativa aos agentes públicos e outras sanções. As penalidades requeridas incluem suspensão dos direitos políticos,  proibição de contratar com o dinheiro público, a reparação desse dano e a aplicação de multas aos acusados.

 Edição Extra

 Duas ações são referentes as investigações da Operação Edição Extra, deflagrada pela Polícia Civil ontem (18), resultando na prisão dos secretários estaduais adjuntos Elpídio Spiazzi (Secom) e José de Jesus Nunes Cordeiro (SAD), além de proprietários de gráficas. Neste primeiro momento, a Gráfica Propel foi denunciada por supostos esquemas na Assembleia e na Câmara de Cuiabá. Entre os citados por suposto envolvimento no esquema estão José Riva, o deputado estadual Mauro Savi (PR), o ex-deputado e apresentador de TV Maksuês Leite, o vereador cassado João Emanuel, o ex-diretor do Legislativo Cuiabano Cido Alves e o advogado Rodrigo Cyrineu. A Promotoria também requer ressarcimento de valores milionários ao erário e outras sanções.

Fonte RDNEWS

Sem sustos, Odair José vence e assume a Câmara Municipal

Publicado por JOEL DE AQUINO | quarta-feira, 17 de dezembro de 2014 | 18:05



O vereador   Odair José (PP), foi eleito em chapa única como novo presidente da Câmara Municipal de Colíder que terá Silvano dos Vicentinos (PMDB) como 1º secretário.



A Mesa Diretora no biênio 2015/2016 da Câmara Municipal de Colíder será comandada pela base que da sustentação ao prefeito municipal, o vereador Odair José (PP) foi eleito em chapa única como novo presidente da Casa que terá Odair André como vice-presidente, e Silvano dos Vicentinos (PMDB) na 1º secretaria.

A oposição pouco ou nada se opôs, sendo assim, a eleição transcorreu em uma calmaria nunca vista, pois o vereador Odair José acabou consolidando sua eleição para presidente, que contou com a ajuda do atual presidente Ricardo Caldeira e com apoio de praticamente todos os vereadores, que mesmo a minoria ser oposição ao atual prefeito tem colaborado com a administração do executivo e facilitado à vida dos vereadores que irão comandar o legislativo por um bom período.

A eleição da nova mesa diretora foi calma em Colíder, com uma votação de consenso entre os vereadores, o próximo presidente ficará a frente da gestão da casa por um bom período. O atual presidente Ricardo Caldeira (Lika), por força do regimento interno da Câmara ficou impedido de concorrer para um 2º mandato, coisa que talvez não fosse objetivo dele, pois por diversas vezes tem dito que presidir o poder legislativo não é só mar de rosas.

Os eleitores pouco ou quase nada tem se manifestado, mas nos bastidores aparentemente aprovam a composição da nova mesa, pois o 2º secretario, Silvano dos Vicentinos tem chamada a atenção em função de sua simplicidade e lisura, pois atuou por muitos anos na Sociedade São Vicente de Paulo, onde prestou relevantes serviços ganhando com isso a admiração da sociedade colidense, mas não pode esquecer-se do futuro presidente que atuou na administração passada e angariou experiência no meio político.
.